21 de Julho de 2024
21 de Julho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

VGNJUR Domingo, 07 de Julho de 2024, 08:14 - A | A

Domingo, 07 de Julho de 2024, 08h:14 - A | A

no supremo

Defesa de eletricista de VG afirma que PF “ocultou” provas e pede para anular condenação: “Ajudou policiais”

Eletricista foi condenado a 16 anos de prisão por participação nos atos antidemocráticos de 8 de janeiro

Lucione Nazareth/VGNJur

A defesa do eletricista de Várzea Grande Juvenal Alves Corrêa de Albuquerque, entrou com Habeas Corpus no Supremo Tribunal Federal (STF) para anular a condenação de 16 anos de prisão por participação nos atos antidemocráticos de 8 de janeiro de 2023. O pedido está sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes.  

No recurso, impetrado pela advogada Tanieli Telles de Camargo, disse que a decisão determinou a condenação usou como base relatório elaborado pela Polícia Federal em relação a fotos e vídeos parciais obtidos no celular de Juvenal, no qual foram extraídos e juntados “apenas o que interessava a acusação”.  

Tanieli apontou que chegou ao conhecimento da defesa que a Polícia Federal ocultou do laudo vídeo no qual o eletricista aparece ajudando os policiais que estavam nas dependências dos Três Poderes, “os oferecendo água e os ajudando a proteger o local contra os atos criminosos que estavam ocorrendo”.  

“O vídeo Ocultado do laudo, mormente, seria suficiente para infirmar os fundamentos utilizados na sentença, pois não há qualquer liame subjetivo entre o Paciente [Juvenal] e os demais criminosos, uma vez que o Paciente claramente estava tentando ajudar os Policiais e proteger o local, acabando com a tese de crimes multitudinários”, diz trecho do HC.  

A defesa afirma que não há como Juvenal ser condenado ao crime de dano qualificado pela violência e grave ameaça, com emprego de substância inflamável, contra o patrimônio da União e com considerável prejuízo para a vítima e deterioração de patrimônio tombado, “quando no vídeo há a demonstração de que ele estava tentando impedir isso, inclusive, ajudando os policiais”.  

Além disso, destacou que a ocultação do vídeo impossibilitou a defesa de buscar a identificação dos policiais [que aparecem no vídeo], para colher seus depoimentos e demonstrar que o eletricista não concorreu nos delitos que lhe foram imputados, tampouco verificar a legalidade da prova.  

Ao final, a defesa requereu nulidade do laudo da Polícia Federal sobre os vídeos e fotos que relacionam Juvenal Alves a invasão e depredação as sedes dos Três Poderes em Brasília, e no mérito pela sua absolvição na ação penal.  

Em caso, da não absolvição, a advogada pede que o Supremo desconstituir a sentença condenatória, reabrindo a instrução, para que proceda a juntada da prova nova, bem como sejam identificados e localizados os policiais que aparecem no vídeo, para que sejam colhidos seus depoimentos, sem prejuízo às demais diligências e atos probatórios. 

Leia Também - Mãe de eletricista de VG envia carta ao STF alegando inocência do filho: “Alexandre solte o meu filho”          

 
 

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

Comente esta notícia

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760