20 de Junho de 2024
20 de Junho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

VGNJUR Quarta-feira, 19 de Outubro de 2022, 10:30 - A | A

Quarta-feira, 19 de Outubro de 2022, 10h:30 - A | A

recurso negado

TRE nega cassar prefeito de Livramento por suposta compra votos

Prefeito foi denunciado por organizar e convidar populares para a inauguração de creche no município

Lucione Nazareth/VGN

Por unanimidade, o Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT) negou recurso do Diretório Municipal do PTB e negou casar o prefeito de Nossa Senhora do Livramento, Silmar Souza (União), e do vice Thiago Gonçalo de Almeida (PSB), por suposto crime eleitoral. A decisão foi publicada nesta quarta-feira (19.10).

Consta dos autos, que Diretório Municipal do PTB, que teve como candidato à prefeito nas eleições de 2020 Carlos Roberto da Costa – popular Nezinho, ingressou com Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) alegando que o Silmar Souza organizou e convidou populares para a inauguração da Creche Municipal Alice Viegas de Pinho, na Comunidade de Pirizal, no dia 06 de novembro, com a presença de autoridades do município.

Segundo o PTB, no evento a coordenadora da campanha de Silmar, Maria Auxiliadora da Silva Cunha, teria feito uso da palavra para enaltecer a atuação do prefeito Silmar no comando de Nossa Senhora do Livramento, dando ares de que a continuidade do trabalho era o melhor para as pessoas ali presentes. Também ressaltou que o desequilíbrio da disputa se configura de forma ainda mais contundente após as aludidas manifestações, quando todos foram levados a participar de um “arcado pelos organizadores do evento”

Ao final, o PTB alegou que ficou caracterizado abusos de poder político e econômico e a compra de votos, postulando o provimento do apelo para a cassação dos mandatos de Silmar Souza e Thiago Almeida (PSB), assim como aplicação de multa eleitoral em seu patamar mais elevado.

O relator do recurso, o juiz-membro Raphael Casella de Almeida Carvalho, apontou que nenhum abuso ou compra de voto restou comprovado nos autos, e destacou que “mera inauguração de uma obra pública não caracteriza conduta apta, por si só, a configurar captação ilícita de sufrágio”.

Conforme o magistrado, ficou comprovado que Silmar e Thiago sequer participaram presencialmente do evento, e que ao contrário das ilações do PTB, a citada inauguração “se reveste de características que reúnem a implementação comum e normal de ato de gestão pública, conquanto se trata da execução de um bem relevante para a comunidade local, um centro recreativo infantil nominado Alice Viegas de Pinho, cuja inauguração foi precedida de convite formal às pessoas”.

“Desse modo, resta evidente o desconexo das acusações com as provas apresentadas, que se mostram, no caso, insuficientes, frágeis e temerárias para ensejar qualquer medida punitiva, tampouco a cassação de mandatos eletivos. Com essas considerações e em consonância com o parecer ministerial, NEGO PROVIMENTO ao recurso”, diz trecho do voto.

Leia Também - Justiça nega cassar prefeito de Livramento por suposto crime eleitoral em inauguração de creche

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

Comente esta notícia

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760