16 de Junho de 2024
16 de Junho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

VGNJUR Sexta-feira, 05 de Agosto de 2022, 09:15 - A | A

Sexta-feira, 05 de Agosto de 2022, 09h:15 - A | A

Câmara de VG

Julgamento virtual que decidirá futuro de Gisa Barros começa hoje (05)

Gisa Barros pode perder a cadeira na Câmara de Várzea Grande

Rojane Marta/VGN

 O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) começa a julgar hoje (05.08), em sessão virtual, o recurso que pode mudar os quadros da Câmara de Vereadores de Várzea Grande.

O recurso foi apresentado pelo candidato Wanderley Cerqueira, que pede o deferimento da sua candidatura e consequente posse no Legislativo Várzea-Grandense no lugar da vereadora Gisa Barros (União). A sessão virtual tem duração de sete dias, ou seja, deve encerrar em 11 de agosto.

Nas eleições de 2020, Wanderley disputou sub judice e obteve 1.044 votos, votação que seria suficiente para lhe assegurar uma das cadeiras no Legislativo, mas, não foi empossado no cargo porque foi mantido o indeferimento do registro de sua candidatura devido a sua inelegibilidade, considerando que ele teria sido condenado a sanção penal de 02 anos e 04 meses de reclusão, por falsidade ideológica.

No recurso, a defesa de Wanderley alega que ele é “candidato democraticamente eleito, cujo exercício do mandato que lhe foi atribuído pelo povo encontra-se impedido em razão de um processo de registro de candidatura excessivamente formalista e injusto, que esvazia por completo a soberania popular manifestada nas urnas”.

A defesa alega ainda que na esfera criminal, a Turma de Câmaras Criminais Reunidas do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso (TJMT) julgou procedente ação de Revisão Criminal, em 19 de maio de 2022, por meio de acórdão que desconstituiu o decreto condenatório, com a consequente absolvição de Wanderley.

“Vê-se que a absolvição decorrente de Ação de Revisão Criminal caracteriza uma manifesta alteração fática e jurídica nos autos (fato superveniente) em relação ao Registro de Candidatura, de modo que não subsiste no mundo jurídico a inelegibilidade na qual incidia o Agravante e que havia sido apontada como razão para o indeferimento de seu registro de candidatura. Nesse passo, é possível a este Tribunal Superior Eleitoral e qualquer outro órgão jurisdicional conhecer, inclusive ex officio, de circunstâncias supervenientes quando o suporte fático que deu origem à inelegibilidade não mais subsiste no mundo jurídico. Portanto, torna-se inviável a manutenção da declaração de inelegibilidade do ora Agravante, cujo fundamento era a incidência do art. 1º, I, alínea “e” da Lei Complementar nº 64/1990, na medida em que inexistente qualquer causa que a justifique, haja vista o acórdão proferido na Ação de Revisão Criminal nº 1009712- 82.2021.8.11.0000, que desconstituiu a sentença condenatória proferida na Ação Penal nª 16631-79.2013.811.0002” argumenta a defesa.

Leia também

Emanuelzinho diz que reeleger Mauro é prolongar sofrimento do mato-grossense

 

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

Comente esta notícia

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760