16 de Julho de 2024
16 de Julho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

VGNJUR Sexta-feira, 16 de Setembro de 2022, 14:12 - A | A

Sexta-feira, 16 de Setembro de 2022, 14h:12 - A | A

RGA DE 2011

TJ nega conceder RGA de 6,47% para servidores públicos do Estado

Servidores pedem pagamento de RGA de 6,47% referente a 2011

Lucione Nazareth/VGN

A 1ª Câmara de Direito Público e Coletivo do Tribunal de Justiça (TJMT) negou conceder Revisão Geral Anual (RGA) de 6,47% aos servidores do Estado do Grupo de Tributação, Arrecadação e Fiscalização (TAF). A decisão é do último dia 06 deste mês.

O Sindicato dos Profissionais de Tributação, Arrecadação e Fiscalização do Estado (SIPROTAF) entrou com ação contra a decisão do Juízo da 1ª Vara Especializada da Fazenda Pública de Cuiabá que, nos autos da Ação Declaratória com Indenizatória de Danos Materiais julgou improcedente o pedido da categoria.

A categoria sustenta que os servidores do Grupo TAF têm direito à RGA referente ao ano de 2011, uma vez que todos os demais servidores públicos estaduais do Estado tiveram aumento de 6,47%, conforme a Lei n.º 9.537/2011. Narra que a revisão dos servidores substituídos somente foi instituída pela Lei Complementar n.º 513/2014, com o índice de 6% em duas parcelas: a partir de janeiro de 2014 e a partir de janeiro de 2015.

Sustentou ainda aplicação do mesmo índice e na mesma data da RGA na Lei Complementar n.º 514/2013, diante da falta de observância do que dispõe o § 1º e o caput do artigo 147 da Constituição do Estado de Mato Grosso e o inciso X do artigo 37 da Constituição Federal, pois a distinção de índice de 6,47% para 6% e a diferenciação de datas afrontaram a política salarial única perante todos os servidores do Executivo.

O relator do pedido, o juiz convocado Gerardo Humberto Alves Silva Junior, apontou que o Poder Executivo, no uso de sua atribuição constitucional decorrente o inciso II do artigo 66 da Constituição do Estado de Mato Grosso, propôs o índice do reajuste geral anual do subsídio dos servidores públicos civis e militares, ativos, inativos e pensionistas para o ano de 2011, com expressa ressalva aos integrantes do Grupo TAF.

Segundo ele, o advento da Lei Complementar Estadual nº 422/2011, os subsídios dos integrantes do Grupo TAF eram reajustados, automaticamente, na mesma data e nos mesmos índices dos reajustes concedidos ao subsídio do governador, nos termos do artigo 1º, § 3º, da Lei Complementar Estadual nº 187/2004; e que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o aumento legalmente concedido, inclusive incorporado ao patrimônio dos servidores, não poderia vir a ser reduzido pelo legislador, declarando a inconstitucionalidade do artigo 2º da Lei nº 1.866/2007 e do artigo 2º da Lei nº 1.868/2007.

“Nesse cenário, o Poder Judiciário não pode aumentar o vencimento de servidor público sob o fundamento de isonomia. Assim, por força do art. 927, inc. II, do CPC, é imprescindível o respeito ao entendimento fixado em súmula vinculante. Com essas considerações, NEGO PROVIMENTO ao Recurso de Apelação, mantendo a sentença pelos seus próprios e jurídicos fundamentos”, diz trecho do voto.  

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

Comente esta notícia

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760