25 de Julho de 2024
25 de Julho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

VGNJUR Quarta-feira, 08 de Junho de 2022, 21:20 - A | A

Quarta-feira, 08 de Junho de 2022, 21h:20 - A | A

Decisão

TJ manda soltar adolescente que matou amiga

Redação VGN

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), determinou a soltura da adolescente que atirou e matou a amiga Isabele Guimarães Ramos, em julho de 2020, em Cuiabá. A maioria dos desembargadores decidiu pela desclassificação da conduta dolosa para culposa.  A decisão foi proferida durante sessão da Terceira Câmara Criminal, desta quarta-feira (8), sobre recurso de apelação da defesa.  

O processo corre em segredo de Justiça, porém, segundo fontes o caso foi alterado de homicídio doloso para culposo (quando não há intenção de matar). Em razão desta mudança, foi determinada a soltura. 

A adolescente estava no Complexo Pomeri desde janeiro de 2021, após ser condenada a 3 anos de internação, por ato infracional análogo ao crime de homicídio doloso, quando há intenção de matar, após sentença proferida pela juíza Cristiane Padim da Silva, da 2ª Vara Especializada da Infância e Juventude da Capital.

O crime -  Isabele foi morta após ser atingida por um disparo de arma de fogo no rosto efetuado pela menor, no dia 12 de julho de 2020, no Condomínio Alphaville, em Cuiabá.

No dia dos fatos, o empresário Marcelo Cestari, pai da menor, chegou a ser preso por porte irregular de arma de fogo. Foi ele quem teria dado a arma para a filha guardar, quando ela acabou atingindo a amiga. Após pagar fiança, ele foi solto.

Ao sentenciar o processo, juíza Cristiane Padim da Silva, da 2ª Vara Especializada da Infância e Juventude da Capital, levou em consideração que a garota agiu de forma dolosa, impedindo a vítima – tida como melhor amiga – de se defender do ataque.

A situação foi considerada como agravante no momento da fixação do tempo em que ela terá que ficar apreendida. Padim ainda destacou que a garota agiu com “frieza, hostilidade, desamor e desumanidade”.

A juíza também determinou que o adolescente, ex-namorado da menor infratora, preste serviços comunitários, durante seis meses, e fique em liberdade assistida, por um ano. Ele foi acusado de levar a pistola que resultou na morte de Isabele à casa da então namorada.

O pai dele, que também foi indiciado pelo crime de omissão e cautela na arma de fogo, celebrou acordo e pagou R$ 40 mil em troca da extinção da punibilidade.

Já os pais da jovem infratora, Marcelo Cestari e Gaby Soares de Oliveira Cestari, ainda devem ser julgados pelos crimes de homicídio culposo, entrega de arma de fogo a pessoa menor, fraude processual e corrupção de menores. Marcelo também responde por posse ilegal de arma de fogo.

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

Comente esta notícia

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760