13 de Junho de 2024
13 de Junho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

VGNJUR Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2022, 16:54 - A | A

Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2022, 16h:54 - A | A

NO STF

PGR denuncia ministro da Educação por crime de homofobia

Ministro da Educação afirmou em entrevista que “homossexualismo seria fruto de famílias desajustadas”

Lucione Nazareth/VGN

A Procuradoria-Geral da República (PGR) protocolou nesta segunda-feira (31.01) denúncia contra o ministro da Educação, Milton Ribeiro, ao Supremo Tribunal Federal (STF) por declarações homofóbicas.

Conforme denúncia, assinada pelo vice-procurador-geral Humberto Jacques de Medeiros, o ministro concedeu entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo”, em setembro de 2020, tendo na ocasião afirmado que adolescente opta por “andar no caminho do homossexualismo” por viver em um contexto familiar “desajustado”.

“Acho que o adolescente que muitas vezes opta por andar no caminho do homossexualismo tem um contexto familiar muito próximo, basta fazer uma pesquisa. São famílias desajustadas, algumas. Falta atenção do pai, falta atenção da mãe. Vejo menino de 12, 13 anos optando por ser gay, nunca esteve com uma mulher de fato, com um homem de fato e caminhar por aí. São questões de valores e princípios”, sic fala de Milton Ribeiro anexada na denúncia.

Conforme Humberto Jacques, as declarações de Ribeiro ao afirmar que adolescentes homossexuais procedem de famílias desajustadas, “discrimina jovens por sua orientação sexual e preconceituosamente desqualifica as famílias em que criados, afirmando serem desajustadas, isto é, fora do campo do justo curso da ordem social”.

“Ao afirmar que adolescentes homossexuais procedem de famílias desajustadas, o denunciado discrimina jovens por sua orientação sexual e preconceituosamente desqualifica as famílias em que criados, afirmando serem desajustadas, isto é, fora do campo do justo curso da ordem social”, diz trecho da denúncia.

Ainda segundo o vice-procurador-geral, o ministro recusou oferta de acordo de não persecução penal – quando há um entendimento alternativo à punição judicial.

Leia Também - Judiciário prorroga até 28 de fevereiro atendimento remoto nos Fóruns e na sede do TJMT

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

Comente esta notícia

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760