17 de Julho de 2024
17 de Julho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

VGNJUR Terça-feira, 19 de Julho de 2022, 08:11 - A | A

Terça-feira, 19 de Julho de 2022, 08h:11 - A | A

no supremo

Partido Novo entra com ação para suspender pagamento imediato do Auxílio Brasil no valor de R$ 600

Partido pede que os pagamentos sejam realizados somente após segundo turno das eleições - no final de outubro

Lucione Nazareth/VGN

O Partido Novo entrou com Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender os feitos da PEC (Proposta de Emenda à Constituição), que permite o Governo Federal gastar por fora do teto de gastos mais R$ 41,25 bilhões até o final do ano. A legenda pede que a suspensão seja até 31 de outubro, data do segundo turno das eleições.

A PEC permitiu a elevação do valor do Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600, assim como prevê ainda inclusão de até 2 milhões de famílias que estão na fila de espera para serem inseridas no programa social. Além disso, prevê o pagamento de “voucher” de R$ 1 mil aos caminhoneiros e aos taxistas. A expectativa é os benefícios sociais comecem a ser pagos a partir de 09 de agosto.

Leia Mais - Valor de R$ 600 do Auxílio Brasil deve ser pago a partir de 09 de agosto, diz ministro

Porém, segundo o Partido Novo houve vício na tramitação da PEC que afronta o processo legislativo Constitucional porque suprimiu dos parlamentares direito de emenda, ínsito ao mandato parlamentar; assim como violação ao direito fundamental do Estado Democrático de Direito ao voto direto, secreto, universal e periódico, protegido pela cláusula pétrea previsto no artigo 60, §4º, II da Constituição Federal.

A sigla apontou ainda violação ao direito individual assegurado no texto constitucional protetivo da estabilidade do processo eleitoral; e que a PEC afronta brutalmente os direitos e garantias fundamentais assim como o próprio federalismo, ao pretender criar uma nova hipótese de estado de exceção, por meio de emenda.

“Trata-se de uma emenda que afronta o que se tem de mais caro e mais estável no texto constitucional e que nunca se imaginou ver alterado: as hipóteses de estado de exceção previstas na Constituição. A inconstitucionalidade desta emenda e um grande problema, mas a conclusa o inerente à EC 123/22 de que a Constituição poderia [e poderá] ser emendada para inserir novos formatos de Estado de Exceção, que permitem a execução de medidas que afetam direitos individuais revela gravidade que não cabe no texto. Se é possível inserir no texto da Constituição um novo estado de exceção qualificado como estado de emergência decorrente da elevação extraordinária e imprevisível dos preços do petróleo, combustíveis e seus derivados e dos impactos sociais deles decorrentes, quais seriam os próximos? Por evidente, esse na o e um tema que ficou aberto ao legislador derivado”, diz trecho da ação.

Ao final, a agremiação partidária requereu suspensão das normas ao menos até a data das eleições, incluindo o segundo turno, e, portanto, suspenda a concessão de qualquer vantagem até a data das eleições, incluindo o segundo turno. “O grave risco imposto à legitimidade e normalidade do processo eleitoral, em si, justificariam a medida cautelar”, diz outro trecho da ADI.

Leia Também - Mais de 53 mil famílias de MT podem ser incluídas no Auxílio Brasil já neste mês de agosto

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

Comente esta notícia

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760