17 de Junho de 2024
17 de Junho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

VGNJUR Terça-feira, 13 de Setembro de 2022, 10:47 - A | A

Terça-feira, 13 de Setembro de 2022, 10h:47 - A | A

sem provas

Justiça absolve tenente-coronel por supostamente assediar sexualmente policiais em MT

Justiça Militar apontou falta de provas das policiais relatando os supostos abusos

Lucione Nazareth/VGN

A Conselho de Sentença da Justiça Militar de Mato Grosso absolveu o tenente-coronel J.O.M de assediar sexualmente jovens policiais militares quando era comandante do batalhão da PM em Vila Rica (a 1.276 km de Cuiabá). A decisão foi publicada nesta terça-feira (13.09) pelo juiz Murilo Moura Mesquita, da 11ª Vara Criminal Especializada da Justiça Militar. 

Consta da decisão, que a absolvição do militar foi em decorrência da insuficiência de provas, “ante o princípio in dubio pro reo, ante o princípio in dubio pro reo”.  

“Não havendo certeza da autoria do acusado em relação ao crime de concussão perpetrado em desfavor da vítima P.S.K.C, impõe-se a absolvição do réu por insuficiência de provas, ante o princípio in dubio pro reo, ante o princípio in dubio pro reo, com fulcro no art. 439, alínea “e” do CPPM. Dispositivo Ante o exposto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido da ação penal pública e ABSOLVO o réu J.O.M da imputação da prática do crime de concussão em desfavor das pessoas de J.R.A e P.S.K.C, com fundamento no art. 439, alínea “e” do Código de Processo Penal Militar c/c art. 386, VII, do Código de Processo Penal”, diz trecho da decisão.

Leia Mais - Justiça mantém prisão de homem acusado de tentar matar ex-mulher a facadas em Cuiabá

 denúncia  

De acordo com a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE), o militar teria se aproveitado do cargo para assediar as policiais que eram investigadas ou alvos de processos administrativos. Em troca, ele prometia 'aliviar a barra' para não puni-las.

Em 2016, uma das policiais que denunciou o tenente-coronel é uma PM que foi investigada por suspeita de ter sequestrado, ameaçado e agredido uma moradora da região com quem teria uma desavença pessoal. Segundo consta a denúncia, a policial passou a sofrer constantes exigências por parte do tenente-coronel para que ficasse com ele e tivesse relações sexuais.

Em troca, o tenente iria 'aliviar' e 'não ferraria' na investigação contra ela por causa do episódio daquele ano. A policial, ao negar os pedidos, era ameaçada e informada que 'perderia a farda'. Os assédios ocorreram por quase oito meses pelo WhatsApp e também no gabinete do comando da PM.

Em outro caso, com outra policial e no mesmo ano, a segunda vítima relatou que passou a ser assediada depois de registrar um boletim de ocorrência contra o companheiro dela, também PM em Vila Rica.

A policial afirmou que o tenente-coronel interferiu na situação e passou a dizer que 'a única forma de a ajudar e não a prejudicar, era ter relação sexual com ele'.  

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

Comente esta notícia

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760