15 de Junho de 2024
15 de Junho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

Artigos Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2022, 09:23 - A | A

Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2022, 09h:23 - A | A

Nilson Leitão

Mais investimentos, menos burocracia

Por Nilson Leitão

O Marco Legal das Ferrovias foi criado e estamos diante de um grande avanço. Investimentos, geração de empregos e serviços, desburocratização, integração de modais são apenas alguns dos benefícios que a medida oferece a todo o País, e especialmente ao Estado de Mato Grosso.

Criado a partir da publicação da Medida Provisória 1.065/2021, o Marco Legal vai oferecer a autorização e exploração de ferrovias brasileiras para empresas privadas, por períodos pré-determinados, o que resultará no aumento dos investimentos no setor ferroviário.

A medida reduz a burocracia para a construção de novas ferrovias, inovando no aproveitamento de trechos ociosos e também na prestação do serviço desse modal de transporte.

Além disso, é possível a exploração imobiliária e comercial do entorno das estações, por meio da criação de shoppings e outras áreas comerciais e de escritórios, ou de novos bairros verticalizados, o que em muito contribui para a implantação de um modelo de investimento inovador e inédito no Brasil.

O setor produtivo esperava ansioso por esse grande passo. Prova disso foi a assinatura de nove contratos de novas ferrovias espalhadas por todo o Brasil, dias após a edição da Medida Provisória. São cerca de R$ 50,3 bilhões em investimentos apenas nos primeiros contratos, para transporte de grãos, minério, celulose e conteineres (3,5 mil km)

O objetivo é que os aportes financeiros gerados pelo Marco possibilitem um aumento da representatividade do setor ferroviário no transporte de cargas brasileiro, hoje responsável por apenas cerca de 20% do total, segundo fontes da Confederação Nacional do Transporte, a CNT.

A desburocratização é uma das grandes vantagens do Marco. Uma empresa, após devido processo seletivo, pode celebrar contrato com o poder público para o prazo mínimo de 25 anos e máximo de 99 anos, renováveis, desde que preenchidos os requisitos exigidos, sem necessidade de licitação.

O maior benefício para Mato Grosso é o aumento de oferta do modal, tendo em vista que do todo movimentado nas ferrovias, somente 20% (média) é produto do agro. A soja e o milho são predominantemente escoados pelo modo rodoviário (85%). Em caminhões de 40t, em 1 mil km (média).

Uma composição ferroviária como a prevista na tão esperada Ferrogrão permitirá cargas de 16 mil toneladas (400 caminhões), por exemplo.

Ganhos econômicos (redução de custos, entre 30 e 35%) e ambientais (redução de CO2), redução acidentes e diminuição de investimentos em manutenção de estradas estão entre os principais pontos positivos da medida.

O horizonte torna-se mais amplo ainda para Mato Grosso, ao considerarmos também a possibilidade de promovermos a competição entre ferrovias no transporte de grãos do Estado pelos portos do Arco Norte ou Sudeste.

Já pedindo perdão pelo trocadilho, o Marco Legal das Ferrovias é a oportunidade de permitirmos que muitos setores da economia do Brasil andem nos trilhos.

 

 

 

Diga NÃO as queimadas! Clique AQUI 

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

 Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760