17 de Julho de 2024
17 de Julho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

Política Terça-feira, 28 de Junho de 2022, 11:54 - A | A

Terça-feira, 28 de Junho de 2022, 11h:54 - A | A

NO SENADO

Senador protocola pedido de CPI para investigar corrupção no Ministério da Educação

Senador aponta que existem indícios de participação de Bolsonaro

Lucione Nazareth/VGN

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) protocolou nesta terça-feira (28.06) no Senado pedido de abertura para criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as denúncias de tráfico de influência e corrupção no Ministério da Educação.  

O requerimento de formação da CPI foi apresentado em março por Randolfe, depois que vazaram áudios do então ministro da Educação, Milton Ribeiro, sobre priorizar pedido pastores, a pedido do presidente Jair Bolsonaro (PL), para a liberação de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). A suspeita é de envolvimento da atuação dos pastores Gilmar dos Santos e Arilton Moura na liberação de recursos do Ministério para Prefeituras de aliados.  

O documento chegou inclusive a alcançar as assinaturas necessárias em abril, mas a CPI acabou não sendo instalada porque senadores que inicialmente haviam apoiado a comissão recuaram.  

Em entrevista coletiva, Randolfe afirmou que no pedido de CPI consta 30 assinaturas, mas esse número pode ser ampliado para 32. Segundo ele, é necessário a investigação das denúncias de corrupção do Ministério da Educação, assim como suposta interferência nas investigações da Polícia Federal denunciada pelo delegado Bruno Callandrini.  

Leia Mais - Delegado da PF aponta interferência em operação que prendeu ex-ministro: “Ele teve honrarias após prisão”

O senador declarou que com a CPI será possível verificar com quem o está o telefone do ex-ministro Milton Ribeiro. O parlamentar afirmou que é preciso preservar o conteúdo do aparelho porque nele estaria o aviso de Bolsonaro feito a Ribeiro sobre a realização de operação policial. O suposto aviso teria sido feito pelo Chefe do Executivo dez dias antes da deflagração da Operação Acesso Pago que resultou na prisão do ex-ministro.

Ele ainda apontou que é preciso ainda “resguardar” as investigações e combater uma suposta trama que tenta tirar o delegado Bruno Callandrini da responsabilidade pelas investigações no Ministério da Educação.  

“As circunstâncias desta investigação é que ela está sob ameaça, sob intervenção do senhor presidente da República e do ministro de Estado de Segurança Pública. A necessidade de uma Comissão Parlamentar de Inquérito se impõe para dar ao delegado Bruno Callandrini e aos investigadores, ao Ministério Público Federal a retaguarda necessária para que conduzam com tranquilidade as investigações. Não há dúvida que se instalou uma quadrilha no Ministério da Educação. Os indícios são fortes que o esquema desta quadrilha chega até o Palácio do Planalto”, declarou Randolfe. 

Leia Mais - Sem assinatura de senadores de MT, CPI para investigar corrupção no MEC será apresentada no Senado

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760