21 de Julho de 2024
21 de Julho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

Política Quinta-feira, 07 de Dezembro de 2023, 08:29 - A | A

Quinta-feira, 07 de Dezembro de 2023, 08h:29 - A | A

AL/MT

‘PLC da escravidão’: Sindicato alerta que sobrecarga de trabalho na saúde pode levar pacientes a morte

Sindicato denuncia projeto de lei como ameaça à saúde e reivindica concurso público para reforço de servidores

Adriana Assunção & Gislaine Morais/VGN

O presidente do Sindicato dos Servidores da Saúde do Estado de Mato Grosso (SISMA/MT), Carlos Mesquita, classificou como “PLC da escravidão” o Projeto de Lei Complementar 56/2023, de autoria do governador Mauro Mendes (União), que regulamenta a jornada mensal dos servidores públicos civis que fazem parte do Poder Executivo estadual. Mesquita cobra do Estado a realização do concurso público, considerando o número reduzido de servidores.

“Infelizmente, o PLC 56, conhecido na área da saúde como ‘PLC da escravidão’, fere os servidores da Saúde. Em nossa área, é necessário cumprir as normas técnicas; em um plantão de 12 horas, temos uma folga de 36. Se colocarmos isso em um mês, o máximo possível seriam 14 plantões. Com esse projeto, passaremos para 16, talvez até 17 plantões, então, isso é humanamente impossível”, declarou o sindicalista, que também atua como plantonista do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Carlos Mesquita alerta que o excesso de serviço na área de saúde pode levar a erros que, por sua vez, podem resultar na morte do paciente, além de impactar na qualidade do atendimento. Segundo ele, o número atual de servidores já é considerado muito abaixo da demanda.

“Quanto mais há um excesso de sobrecarga de serviço, maior é a probabilidade de erro, afetando a qualidade do atendimento à população. O número de servidores da Secretaria de Saúde é insuficiente. Para ilustrar, em 2006 tínhamos 3.540 servidores, e hoje contamos com 3.010 servidores. Está faltando mais de 3.400 servidores, tornando isso humanamente impossível. O que o governador deveria fazer é realizar um concurso público”, destacou Mesquita.

O sindicalista argumentou que a área de saúde é essencial, comprovando sua importância durante a pandemia de Covid-19, quando, mesmo com poucos servidores, o serviço foi mantido. “Demos conta do recado, muitos servidores morreram no serviço. Então, o que está faltando? Acredito que o governador está sendo mal assessorado. Talvez servidores ou o secretário não conheçam a realidade da saúde. A regulamentação da carreira da saúde foi feita em 2011 pela Lei Complementar 441.”

Contudo, o Projeto de Lei Complementar 56/2023 foi retirado de pauta a pedido do deputado estadual Lúdio Cabral (PT). A votação deve acontecer na sessão da próxima semana.

Leia mais

Deputados divergem sobre responsabilidade por projetos que afetam servidores públicos em MT

Sem aumentar salário, Governo propõe elevar carga horária de servidores

 

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760