17 de Junho de 2024
17 de Junho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

Cidades Quarta-feira, 06 de Julho de 2022, 15:55 - A | A

Quarta-feira, 06 de Julho de 2022, 15h:55 - A | A

cadê a Luana?

Pai detalha estupros sofridos por adolescente desaparecida em VG

Segundo ele, a adolescente foi estuprada uma vez quando estava com a mãe e uma com ele

Gislaine Morais & Kleyton Agostinho/VGN

Após o desaparecimento da adolescente Luana Sthefany de Souza, 13 anos, na última sexta-feira (1º.07), repercutir na mídia, na manhã desta quarta-feira (06) o pai da menina, Jonathan concedeu uma entrevista em frente à Delegacia de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

Leia matéria relacionada – Pai de adolescente desaparecida em VG fala ao vivo da DHPP em Cuiabá

Jonathan confirmou que existem dois processos em sigilo investigando dois supostos estupros contra Luana. Segundo ele, o primeiro, que não informou a data, ele disse apenas que aconteceu quando a filha estava com a mãe, no município de Lucas do Rio Verde.

O pai da Luana contou que ficou sabendo do fato pela filha. Ele disse que quando ela veio a passeio na casa dele a menina contou que havia sido abusada. Jonathan cita um ex-companheiro da ex-mulher como o suspeito de cometer o crime.

Já o segundo, quem expôs foi a mãe da adolescente que mora agora  em Portugal. Ela disse que descobriu através de uma advogada que a representa no Brasil, que há dois anos a filha foi estuprada na casa de um familiar de Jonathan.

Durante a entrevista, ele acabou confirmando que o caso ocorreu em um sítio de um familiar quando a família foi passar o final de semana. O homem disse que não havia falado antes sobre o assunto, pois não queria expor a filha menor.

Em relação ao desaparecimento, na manhã desta quarta (06), Jonathan disse que recebeu uma mensagem e uma foto da filha. Ela dizendo que estava bem e que era para ele cuidar dos irmãos. Luana desapareceu na última sexta (1º), quando deixou a residência da família no bairro Jardim Eldorado, em Várzea Grande para buscar o irmão na escola. Desde então, ela não havia dado notícias. Leia mais - Adolescente sai para buscar irmão em escola de VG e desaparece pelo caminho

O pai da menina disse ainda que a polícia não descartou a hipótese de sequestro. “A polícia disse que não tira a hipótese de ela ter sido sequestrada porque até então nós não conseguimos rastrear o celular dela. Porque pode estar num cativeiro. E eles [investigadores] estão tentando rastrear para chegar até ela".

A história da família - Jonathan chegou a contar como conheceu Ezineia, mãe da Luana. “Eu era casado quando me envolvi com a Ezineia, aí me separei e fui viver com ela. Ficamos juntos por três anos e tivemos a Luana. Quando a Luana tinha seis meses a mãe a deixou comigo e eu cuidei até os três anos dela, sozinho, dava tudo que podia”.

Ele disse que a mãe da menina não dava atenção e sequer um par de chinelos. “Mas, depois desse tempo ela pegou a Luana e disse que era para passar um final de semana e levou a menina embora para Lucas do Rio Verde. Aí eu entrei na Justiça porque queria ficar com a Luana, eu até entrei em depressão por um bom tempo, fiquei baqueado porque ela ficava comigo”.

O suposto abuso sexual contra Luana, ocorreu neste tempo, segundo ele. “Depois de um tempo ela veio passar o final de semana comigo e ela acabou contando que tinha sido abusada. Aí entrou a polícia investigando, mas até hoje não concluiu”, declarou ele.

Quanto a não deixar mãe e filha terem contato, assim como a mulher contou, Jonathan negou e disse que sempre tentou contato com a ex-mulher, chegou até ir à casa de familiares para conseguir o número do telefone, mas nunca conseguiu. 

“Eu nunca conseguia falar com a mãe da minha filha, ia à casa dela e até pedia o contato, mas não conseguia contato com ela. Quando encontrar minha filha ela vai falar, sempre fui um bom pai sempre trabalhei”, finalizou ele.

Outro lado – O conversou com a avó materna da Luana, Creuza, e ela disse que Jonathan está mentindo a todo o momento, pois nunca tentou contato com a ex-mulher.

Em relação ao estupro ocorrido há dois anos, Creuza disse que a família está perplexa com a história e que eles só ficaram sabendo através da advogada, pois ele havia escondido o fato da família materna da adolescente.

 

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760