18 de Julho de 2024
18 de Julho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

Artigos Domingo, 16 de Junho de 2024, 18:32 - A | A

Domingo, 16 de Junho de 2024, 18h:32 - A | A

Edina Araújo*

Declaração de Abílio Brunini que mulheres abortam para “curtir a vida”, é repugnante, causa náusea e vergonha

por Edina Araújo*

No último dia 12 de junho, a Câmara dos Deputados foi palco de uma votação relâmpago que aprovou a urgência da tramitação do Projeto de Lei 1904/2024. Esta proposta, defendida fervorosamente pelo deputado federal Abílio Brunini, pré-candidato a prefeito de Cuiabá pelo Partido Liberal (do ex-presidente Jair Bolsonaro), equipara o aborto a homicídio após 22 semanas de gestação, mesmo em casos de gravidez resultante de estupro.

A declaração de Brunini na tribuna, acusando mulheres vítimas de estupro de realizarem abortos para poder “curtir a vida”, causou náuseas, nojo e vergonha, por parte da população de MT em manifestações nas redes sociais, devido ao parlamentar ser representante do Estado no Congresso.

Além disso, a fala de Brunini não apenas ignora a complexidade e o sofrimento das vítimas de violência sexual, como também revela uma perspectiva alarmante sobre os direitos reprodutivos e a autonomia das mulheres. Ao defender o PL 1904/2024, o deputado não leva em conta o impacto devastador que tal legislação pode ter na vida das vítimas de estupro. Até parece que ele não é pai.

A postura de Abílio Brunini levanta uma questão importante: ele realmente acredita nas palavras que profere ou está utilizando um discurso extremo para atrair a base bolsonarista, que muitas vezes desconhece os efeitos nefastos de uma lei tão draconiana? O oportunismo político, em busca de votos, parece ser a única explicação lógica para um posicionamento tão desumano e desconectado da realidade das mulheres que enfrentam uma gravidez indesejada decorrente de violência sexual.

Vítimas de estupro já vivem com medo constante de seus algozes, agressores impiedosos e do julgamento social. Com a aprovação de uma lei que criminaliza o aborto em qualquer circunstância, após 22 semanas, essas mulheres enfrentariam também o medo da prisão. É inaceitável que, em vez de receberem apoio e compreensão, sejam ameaçadas com a perspectiva de uma pena ainda mais severa, comparável à pena de morte.

A aprovação de uma lei tão absurda e cruel só pode ser explicada pelo cinismo e pela hipocrisia de parlamentares que, aparentemente, não têm mãe, irmãs, filhas ou esposas. Eles legislam sobre o corpo e a vida das mulheres sem qualquer empatia ou consideração pelas consequências de suas ações. São falsos moralistas que utilizam o discurso de defesa da vida apenas para ganhar capital político, enquanto ignoram completamente a realidade e o sofrimento das vítimas de estupro.

O PL 1904/2024 representa um retrocesso inaceitável na luta pelos direitos das mulheres e pela dignidade humana. A sociedade brasileira não pode permitir que uma legislação tão desumana e punitiva seja implementada. É essencial que todos os cidadãos conscientes se mobilizem contra essa proposta e defendam os direitos das mulheres à autonomia sobre seus próprios corpos, especialmente em situações de extrema vulnerabilidade como a de uma gravidez resultante de estupro.

As vítimas de violência sexual merecem apoio, compaixão e justiça, não a condenação cruel proposta por parlamentares insensíveis, oportunistas e pseudo moralistas.

*Edina Araújo é jornalista e diretora do VGNOTICIAS

Brasil unido pelo Rio Grande do Sul

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

 Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760