17 de Junho de 2024
17 de Junho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

Artigos Sábado, 01 de Outubro de 2022, 17:40 - A | A

Sábado, 01 de Outubro de 2022, 17h:40 - A | A

Nilson Leitão*

A arte do bem comum

por Nilson Leitão*

É imprescindível que o eleitor busque votar de maneira criteriosa nos representantes do Legislativo.

Fachada do Congresso Nacional, composto pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal. Articulista afirma que, legitimamente, o poder legislativo é o único que poderá fazer as reformas que o país precisa Nilson Leitão

O ser humano carrega em suas características uma vantagem que outros animais não têm,e por isso mesmo, o torna um elemento fundamental para o desenvolvimento do mundo: a linguagem. Essa qualidade faz de homens e mulheres, animais políticos, capazes de produzir e seguir leis e ordens que devem, de preferência, facilitar o bem-estar social e o convívio moral entre todos.

A linguagem atinge de tal maneira uma sociedade que todas elas vivem em sistemas depoder específicos, com o intuito de organizarem-se para que, de forma ordenada, um pedaço de terra seja ambiente propício para uma vida justa e com limites prédeterminados.

Um desses tipos de poder, que visa a tripartição dos poderes, inclusive, tem origem na Antiguidade, com Aristóteles estabelecendo essa divisão, mas com a consolidação por meio de autores iluministas como John Locke e Montesquieu. Esse último explica a tripartição dos poderes como forma de evitar que um poder se concentre na soberania.

Segundo ele, uma única figura não pode ter a tarefa de julgar, legislar e administrar um Estado. Ao contrário, eles atuariam de forma equilibrada. O Poder Legislativo, dentro dos preceitos de Montesquieu, teria como atribuição fazer as leis eternas ou de determinado período, além de melhorar ou revogar leis já existentes conforme o passar do tempo. O Poder Executivo funcionaria na figura do príncipe ou do magistrado, que estabeleceria relações amistosas com outras nações.

Já o Poder Judiciário promoveria poder ao príncipe. Sobre punições a crimes, este poder daria suporte para manter a ordem civil. Além da visível organização e delegação de funções, de acordo com o filósofo, a tripartição
do poder com essas características, evita que haja ditaduras e um poder mais democrático seja estabelecido. Assim se dá, por exemplo, na administração do Estado brasileiro, onde a tripartição do poder foi estabelecida pela Constituição Federal de 1988.

Os chamados Três Poderes: Poder Executivo; Poder Legislativo e Poder Judiciário. Bom, já que temos 3 poderes, assumimos também algumas responsabilidades em nossas falas. Pois se trata de 3 vozes representadas por centenas de representantes, que representam milhões de pessoas, com desejos opostamente distintos. Uma imensidão de vozes em busca de um resultado: de preferência, o próprio.

Lidar com o diverso sempre será uma boa oportunidade de usar a fala, o diálogo, o “parlar”. Ambiente mais propício para o Congresso destilar ideias, pensamentos e conceitos para tornarmos a sociedade mais acostumada com a arte do bem comum.

Traduzir a política como o meio que transforma opiniões divergentes em resultados convergentes. Por isso mesmo, é fundamental ressaltar a importância do Congresso Nacional nas tomadas de decisão da política brasileira. É por meio dele que o povo, com a legitimidade por ele conferida, participa ativamente do progresso da nação. Ao confiar o voto, cada cidadão despeja um pouco do que deseja falar e do que necessita para alimentar a esperança de um país melhor. O Congresso é, portanto, o atalho da linguagem para concretizar sonhos.

Outrossim, se torna imprescindível que o eleitor busque votar de maneira criteriosa e consciente nos representantes do Legislativo, com a mesma exigência que dedica à escolha de presidente, governador e prefeito. Esse futuro legislador precisa ter a característica de líder, agregador, além de ser possuidor de espírito público. Entender que legitimamente o poder legislativo é o único que poderá fazer as reformas que o país precisa.

Só o eleitor pode transformar para melhor o nosso país, por meio do voto de qualidade. Voto fruto de pesquisa, de sabatinas acerca das propostas e da vida política do candidato. Voto que não parte de indicação ou da exclusão, para não se transformar em voto perdido, que não se lembra mais na próxima eleição.

É nesse sentido que a FPA (Frente Parlamentar da Agropecuária) exerce o trabalho de unir deputados e senadores de diferentes partidos e Estados, com a mesma vocação de governar para todo o país. Ao escrever em cada novo pleito, um capítulo mais rico de debates e questionamentos a favor de uma nação mais justa e igualitária, com o auxílio da lucidez do povo.

A cada projeto produzido por inúmeras mãos e uma vasta quantidade de reuniões, a linguagem é o método escolhido para encontrar um denominador comum em situações de discordância. A FPA vive o falar, pois respira a democracia, e por isso, é exemplo para o Congresso brasileiro em cada nova legislatura.

*Nilson Leitão, presidente do Instituto Pensar Agropecuária (IPA), ex-deputado federal e foi líder da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA)

Diga NÃO as queimadas! Clique AQUI 

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

 Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760