22 de Junho de 2024
22 de Junho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

Polícia Terça-feira, 27 de Setembro de 2022, 10:41 - A | A

Terça-feira, 27 de Setembro de 2022, 10h:41 - A | A

Operação Febre de Ouro

PF cumpre mandado em VG contra grupo que comercializava ouro extraído de garimpos clandestinos

PF apreendeu 19 veículos, joias e quatro armas de fogo pertencente aos supostos membros da organização criminosa

Lucione Nazareth/VGN

A Polícia Federal cumpriu nesta terça-feira (27.09) mandados de busca e apreensão em Várzea Grande, Cuiabá e Poconé contra membros de uma suposta organização criminosa voltada para o comércio de ouro extraído ilegalmente em garimpos clandestinos em Rondônia. Os mandados foram cumpridos no âmbito da Operação Febre de Ouro.

Segundo a PF, foram cumpridas 14 medidas cautelares, sendo sete mandados de busca e apreensão nas cidades de Mato Grosso e também em Porto Velho e Ariquemes, ambos no Estado de Rondônia.

A Polícia informou que os investigados estão proibidos de manter contato com outros supostos membros da organização criminosa, assim como obrigação de comunicar ao Juízo eventual mudança de endereço e comparecimento a todos os atos do inquérito policial e da ação penal.

Durante a ação foram apreendidos 19 veículos, joias e quatro armas de fogo. Também foi determinado pela Justiça o sequestro de mais de R$ 900 mil em contas bancárias, aplicações financeiras e investimentos em ações.

O Esquema  

A Polícia Federal disse que as investigações contra a suposta organização criminosa iniciaram em 2020, com a prisão em flagrante de um homem em Ji-Paraná (RO). Na ação, a polícia encontrou, no interior do veículo, ouro sem qualquer documentação que comprovasse sua origem - avaliado em R$ 560 mil.

Durante as investigações foi possível verificar que o ouro extraído ilegalmente era declarado à Agência Nacional de Mineração (ANM) como se fosse proveniente de área permitida.

Ainda conforme a PF, após declarar o metal, a organização criminosa praticava diversas operações financeiras, inclusive em contas bancárias de terceiros.

Os integrantes da quadrilha podem responder por crimes de usurpação de patrimônio da União, lavagem de capitais e organização criminosa, cujas penas somadas podem ultrapassar 23 anos.

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760