13 de Junho de 2024
13 de Junho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

Várzea Grande Segunda-feira, 30 de Novembro de 2015, 06:02 - A | A

Segunda-feira, 30 de Novembro de 2015, 06h:02 - A | A

Medida urgente

Lucimar terá que reavaliar rua vendida a preço de “banana”

Avaliada em R$ 2,5 milhões, a via pública foi vendida por R$ 23 mil

Rojane Marta/VG Notícias

O Tribunal de Contas do Estado (TCE/MT) determinou que a prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos (DEM), cumpra, em caráter de urgência, o acórdão proferido em representação interna proposta pelo Ministério Público de Contas contra a venda de uma via pública do município, por preço de banana, à empresa Royal Brasil Administração Empreendimentos e Participações Ltda, na gestão de Murilo Domingos (PR).

A via de 1.617,04 m², situada na rua Bandeira, bairro Vila Governador Ponce de Arruda (fundos da Feb), foi vendida pelo ex-prefeito, com dispensa de licitação, por R$ 23 mil. Porém, auditoria do TCE avaliou a área pelo valor de R$ 2,5 milhões – ou seja, a venda gerou prejuízo milionário ao município.

Com a determinação, Lucimar terá que pedir uma reavaliação da área, caso tenha interesse em manter a alienação, e pedir a “diferença”, mais de R$ 2,5 milhões, para a empresa compradora da via.

Caso não haja interesse na alienação por parte da empresa, a prefeita terá que providenciar o cancelamento da compra e venda, com a devolução dos valores recebidos da empresa Royal Brasil, na ordem de R$ 23 mil.

Na mesma decisão, o TCE negou também o pedido da empresa para firmar um TAG (Termo de Ajustamento de Gestão) com o munícipio. Confira decisão:

JULGAMENTO SINGULAR Nº 1422/JCN/2015 PROCESSO Nº: 5.473-9/2011 PRINCIPAL: PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE SECUNDÁRIO: EMPRESA ROYAL BRASIL ADMINISTRAÇÃO EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA ASSUNTO: REPRESENTAÇÃO DE NATUREZA INTERNA PROCURADORES: DANIELE IZAURA S. CAVALLARI REZENDE, OAB/MT 6.057 CARLOS REZENDE JÚNIOR, OABMT 9.059 ADEMYR CÉSAR FRANCO OAB/MT 14.09 Trata-se de Representação de Natureza Interna proposta pelo Ministério Público de Contas, com fundamento nos artigos 38 e 39 da Lei Complementar 269/2007 e artigo 224, inciso II, letra "b" do RITCE/MT, em face da Prefeitura Municipal de Várzea Grande que teria alienado, por preço módico à empresa Royal Brasil Administração Empreendimentos e Participações Ltda, uma via pública. A medida surgiu em decorrência de provocação do Ministério Público Estadual, com o envio de cópia de procedimento preliminar nº 003794-006/2011 instaurado pela Promotoria de Várzea Grande a este Tribunal de Contas (fls. 09/77- TCE/MT) para apuração acerca dessa alienação. A citada empresa foi representada por seus procuradores Daniele Izaura S. Cavallari Rezende, OAB/MT 6.057, Carlos Rezende Júnior, OABMT 9.059 e Ademyr César Franco OAB/MT 14.091 (procuração constante dos autos). Por meio do Acórdão nº 2.067/2014 – TP esta Representação, sob minha relatoria, foi julgada procedente, com aplicação de multas e determinações à atual gestão, com comunicação dessa decisão ao Ministério Público Estadual. Em sede recursal, cuja relatoria coube à Conselheira Substituta Jaqueline Jacobsen Marques foi negado provimento ao Recurso Ordinário, por meio do Acórdão nº 3.215/2015 – TP. No bojo desse voto (fls. 786-TCE/MT) constou a informação da relatora do Recurso de que havia documentação juntada aos autos por parte da Royal Brasil Administração Empreendimentos e Participações Ltda propondo a elaboração de um TAG para o qual deveria se pronunciar este Relator, na qualidade de responsável pelas contas da Prefeitura Municipal de Várzea Grande, exercício de 2014, além de ser relator originário desta Representação. Vindos os autos ao meu Gabinete, solicitei a oitiva do Ministério Público de Contas, uma vez que a proposta protocolada pela citada empresa (fls. 529/773-TCE/MT) requeria sua participação. O Ministério Público de Contas, por meio do Parecer nº 7.703/2015 (fls. 779/805-TCE/MT), de lavra do Procurador Getúlio Velasco Moreia Filho opinou: a) preliminarmente pelo não conhecimento da proposta de Termo de Ajustamento de Gestão, requerido pela empresa Royal Brasil Administração, Empreendimentos e Participações Ltda., considerando não estarem presentes os requisitos de legitimidade para sua propositura, nos termos dos art. 238-E do RITCE/MT; b) e, caso vencida a preliminar, opina-se no mérito pela inadmissibilidade do TAG, em razão da vedação legal para a sua propositura conforme os termos do art. 238-B, § 4º do RITCE/MT; c) e ao final, sugere-se a notificação da atual gestora do Poder Executivo de Várzea Grande, para conhecimento e cumprimento, urgentemente, da decisão exarada no Acórdão 2067/2014-TP, devido ocorrência do trânsito em julgado dos autos, conforme verifica-se na Certidão proferida à fl. 796. É o relatório. DECIDO A matéria que passo a examinar comporta Julgamento Singular, conforme dispõe o artigo 90, § 6º, da Resolução Normativa nº 14/2007 do RITCE/MT. O mérito desta Representação já foi decidido pelo Acórdão nº 2.067/2014-TP e ratificada pelo Acórdão nº 3.215/2015-TP, ambos proferidos pelo Tribunal Pleno. Nesse caso, tratando-se de coisa julgada material, exaurida está a competência deste Relator para apreciar qualquer documentação protocolada a destempo. Considera-se, dessa forma, que o instituto da coisa julgada nada mais é do que um mecanismo processual que veda ao Tribunal (de qualquer natureza) apreciar mais de uma vez a mesma situação pelas mesmas partes, uma vez que confere a determinadas decisões a característica de imutabilidade, como neste caso. Nesse aspecto, importante evidenciar a inteligência do inciso III, § 4º do art. 238-B de nosso Regimento Interno (Resolução nº 14/2007) que veda a celebração de TAG nos casos em que já houver decisão irrecorrível do Tribunal de Contas sobre o ato ou fato impugnado, caso fosse ultrapassado o requisito da legitimidade (art. 238-E do RITCE/MT), conforme bem colocado pelo Ministério Público de Contas em sua manifestação. Diante do exposto, acolho, o Parecer ministerial nº 7.7032015 e DECIDO: I- pelo não conhecimento do requerimento formulado pela empresa Royal Brasil Administração Empreendimentos e Participações Ltda propondo a elaboração de TAG (fls. 529/773-TCE/MT); do Parecer ministerial com a notificação da atual gestão da Prefeitura Municipal de Várzea Grande, para conhecimento e cumprimento, urgente, da decisão exarada no Acórdão nº 2.067-2014. Publique-se.

 

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760