25 de Julho de 2024
25 de Julho de 2024
 
menu

Editorias

icon-weather
lupa
fechar
logo

Fatos de Brasília Quarta-feira, 19 de Junho de 2024, 11:54 - A | A

Quarta-feira, 19 de Junho de 2024, 11h:54 - A | A

Leilão do arroz

Ministro Fávaro diz que Neri precisa ser investigado e cita "ato falho"

Governo vive polêmica em meio a escândalo de irregularidades no leilão

Adriana Assunção/VGN

O ministro da Agricultura de Pecuária, Carlos Fávaro (PSD), afirmou nesta quarta-feira (19.06) que o ex-secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura (MAPA), Neri Geller (PP), não fez nada de errado, mas "precisa ser investigado". Fávaro defendeu a exoneração para garantir transparência nas investigações contra o seu ex-aliado.

“Apesar do ato falho, de ter as ligações pessoais do filho com a empresa que operou este leilão não teve nada de errado que possa sofrer qualquer tipo de condenação, mas precisa ser investigado. Por isso o presidente Lula determinou que a CGU faça toda investigação, que a Polícia Federal faça toda investigação, fundamental na transparência e isso dá credibilidade nas ações do Governo”, declarou o ministro.

Em resposta a mágoa do ex-deputado Neri Geller, que deixou o Governo em meio a escândalo de irregularidades no leilão para compra importação de arroz, Carlos Fávaro citou a demissão do ministro chefe da Cada Civil, Henrique Hargreaves em 1994, pelo então presidente Itamar Franco e a sua readmissão 121 dias depois após a conclusão das investigações.

“É muito importante dizer que a exoneração do ex-ministro Neri Geller não se trata de um ato de juízo de valores, em hipótese alguma de condenação. Não se trata aqui de fazer julgamento, mas é a total liberdade que precisa ser feita para investigar. Certamente Henrique Hargreaves não saiu comemorando porque foi demitido, pode até ter ficado magoado, mas teve o reconhecimento de Itamar Franco poucos dias depois”, argumentou o ministro.

Fávaro não descartou uma readmissão “apesar do ato falho” do filho de Neri, Marcelo Geller ter ligações com a empresa de Robson Almeida de França, que operou no leilão cancelado por suspeitas de irregularidades.

Conforme o ministro, a transparência para investigar evitando conflitos de interesse é parte do papel do Poder público e precisa ser reconhecido. “Anulou o leilão porque faz parte e é de um ato da gestão combater qualquer conflito de interesse. É a prevenção.”

Leia mais: Neri afirma que foi contra leilão do arroz e que deixou Governo “chateado” com Fávaro

 
 

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 01 - JD. IMPERADOR
CEP: 78125-760 - Várzea Grande / MT

(65) 3029-5760
(65) 99957-5760